Aprendizagem social na gestão de fogos no sudeste dos EUA

O sudeste dos Estados Unidos era uma área coberta de savanas com pinheiros, mas devido à silvicultura, à agricultura e ao combate a incêndios, este ecossistema dependente dos fogos ocupa atualmente apenas uma ínfima percentagem da sua anterior dimensão.

Fire management to maintain forest ecosystems in USA

US Fish and Wildlife Service Southeast region

A gestão dos fogos é um elemento-chave na conservação deste ecossistema que constitui o habitat de muitas espécies ameaçadas e fornece inúmeros serviços ecossistémicos. No âmbito de uma parceria de gestão adaptativa, a ONG Nature Conservancy e a base de Eglin da força aérea norte-americana (que ocupa a maior parte do que resta da savana arbórea) empregaram uma abordagem de modelagem colaborativa para desenvolver um modelo integrado da dinâmica florestal a longo prazo e avaliar estratégias alternativas de combate aos fogos. Em cinco anos, este processo conduziu a um novo entendimento das dinâmicas históricas e atuais dos fogos. Algumas das principais conclusões apontam para a necessidade de queimadas mais frequentes nas áreas florestais. Revelam ainda que as medidas de proteção das árvores antigas são mais prejudiciais do que benéficas e que as políticas que contemplam os mecanismos de retroação entre o fogo e a vegetação são suscetíveis de melhorar significativamente a eficácia das queimadas. A criação de modelos simples e inteligíveis das dinâmicas entre o fogo e a vegetação, bem como possíveis vias futuras, permitiu que este entendimento fosse traduzido em novas políticas e práticas de gestão de ecossistemas, incluindo ferramentas de apoio à decisão em matéria de gestão de fogos e de conservação e desenvolvimento da savana arbórea.